Ao assistir a um joguinho de futebol pela televisão, pode acontecer de alguma figura odiosa invadir a tela. Eurico Miranda é um delas. Para quem não conhece, ele é o vice-presidente de futebol do Vasco (ou seria um eufemismo para: a) "dono do time"; b) dono da Federação Carioca de Futebol; c) "sócio majoritário" da CBF) ou d) todas as afirmativas anteriores ?).

O primeiro pensamento daqueles que lêem esse pequeno texto é que nós não somos vascaínos. O que é a mais pura verdade. Levando em conta esta resposta honesta, os torcedores alvi-negros diriam: "todos reclamam, mas todos gostariam de ter Eurico Miranda 'trabalhando' em prol do seu time".

Claro que não!!. Miranda, independente da paixão pelo time "a" ou "b", representa aquilo que há de mais odioso no futebol brasileiro, ou melhor, ele está entre os que tornam o futebol brasileiro odioso. Na verdade, o nosso protesto está dirigido a todos os cartolas, entre os quais o vice do Vasco destaca-se como capitão-mor desta nau que navega por mares de esgoto, o "Tapetão".

Os vascaínos podem ficar eternamente satisfeitos com as "viradas de mesa" perpetradas pelo seu mentor, mas não há como não admitir os seus absurdos. Em primeiro lugar, Eurico é elitista, já tendo declarado milhares de vezes ser o defensor do "Clube dos Treze" (vide o caso do Fluminense, quando rebaixado pela primeira vez). Além disso, vale perguntar aos vascaínos, por que é sempre o Vasco o time com menos jogos no Brasileirão ? Por que os jogadores do Vasco não podem jogar três vezes por semana como todos os times? Esta frequência de jogos é desgastante para qualquer atleta, mas por que só os do time de Miranda se beneficiam com tais privilégios ?

     Fonte: www.crvasco.com.br/eurico.html



Copyright© 1999/2 - COM 024/ FACOM- UFBA
Site produzido por: Greice Schneider, Rafaela Manzo e Rodrigo Barreto